Topo com as obras de arte de Francisco Panachão
           Área do Cliente:   Email Senha Ver Cesta de compras Minhas compras : R$ 0,00  
 
  Poesias >> O Aceno da Estação

O Aceno da Estação


Naquele aceno triste...
Naquela lágrima oculta na alma...
Naquele choro que insiste...
Naquela aparente expressão calma...
Naqueles seus olhos acesos...
Brilhando em meio a tantos outros,
Traz todos os seus amores presos,
Em seu coração de muitos vôos soltos....

Tantas outras faces choram...,
À sua volta..., ao seu redor...
Tantas outras mãos acenam,
Que deixam o seu aceno, cada vez menor...

E seu rosto de sofrimento
Confunde-se com os muitos dali...
Mas só eu entendo o seu tormento...,
Que é ver-me bem longe de ti...

E o trem corre..., como que por maldade...
Para apertar mais rápido o seu coração...,
Deixando-a sem consolo e tranqüilidade...,
Deixando seu olhar cravado ao chão...

Quisera que você estivesse aqui agora....,
Prá ver que eu também sei chorar...
Prá saber que a escuridão caiu lá fora,
E prá entender o quanto eu podia amar...

Os ruídos das rodas rangem...,
Sufocam os meus gritos de adeus....
Talham minha alma com um golpe selvagem,
E distorcem os traços que eram seus...

A distância me envolve e me embaça a visão...,
Já não mais a vejo, em meio à multidão...
Distante ficou você..., seu amor ..., seu coração...,
E pra longe vou eu..., acenando prá aquela sumida estação...

03/02/73